Foto: NASA/Goddard/Universidade Estadual do Arizona
Foto: NASA/Goddard/Universidade Estadual do Arizona

Do Olhar Digital

Em 2009, a NASA lançou o Orbitador de Reconhecimento Lunar (LRO), com a missão de investigar a superfície da Lua em detalhes, a fim de identificar possíveis locais de pouso, recursos naturais e características interessantes, como tubos de lava.

A espaçonave já mapeou cerca de 98,2% da superfície lunar, desconsiderando as regiões profundamente sombreadas nas áreas polares.

Recentemente, o LRO flagrou o que parecia ser uma espécie de  “prancha de surf” passando em alta velocidade rondando a órbita do corpo celeste.

Trata-se da espaçonave Danuri, lançada pela Coreia do Sul em agosto de 2022. Esse é o primeiro orbitador lunar do país, e sua missão é desenvolver e testar tecnologias – incluindo a internet espacial – e fazer um mapa topográfico da superfície da Lua.

Veja também:   Nasa divulga sons de imagens captadas pelo James Webb; OUÇA

Segundo o Instituto de Pesquisa Aeroespacial da Coreia (KARI), responsável pela missão, o trabalho do satélite Danuri ajudará a selecionar futuros locais de pouso e identificar recursos como urânio, hélio-3, silício, alumínio e gelo de água.

NASA forneceu câmera para orbitador sul-coreano registrar áreas sombreadas da Lua

Entre os instrumentos a bordo do orbitador sul-coreano estão um espectrômetro, um magnetômetro e diferentes câmeras.

Uma delas tem a capacidade de fotografar as regiões polares sombreadas que o LRO não consegue mapear. Curiosamente, esse instrumento que fotografa as regiões escuras nos polos lunares, chamado Shadowcam, foi desenvolvido pela NASA.

Nos dias 5 e 6 do mês passado, os orbitadores passaram um pelo outro a uma velocidade combinada de 11.500 km/h.
Havia três órbitas que colocavam o LRO em posição de capturar imagens do Danuri em movimento rápido. Durante cada órbita, a separação vertical entre as duas era diferente.
Na primeira imagem, o LRO estava cinco km acima da espaçonave coreana. Para fotografar Danuri, o orbitador da NASA teve que mirar 43 graus abaixo de seu ângulo habitual.
Na segunda órbita, apenas quatro km separaram o par. Já na terceira e última órbita, a separação entre eles era de oito km. Desta vez, o LRO foi orientado em um ângulo de 60 graus.
Esta não é a primeira vez que eles se fotografam na órbita da Lua. Em abril de 2023, usando a ShadowCam, foi Danuri que registrou o LRO, quando estava 18 km acima do satélite norte-americano.
Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)