demissãoPelo menos 40 coordenadores de escolas foram demitidos nessa terça-feira (3) após reunião com o secretário de Educação de Serra Talhada, Edmar Júnior. O FAROL apurou que os servidores contratados estão com dois meses de salários atrasados e a demissão foi retroativa ao dia 30 de outubro, após o mês eleitoral.

Durante a reunião, o governo municipal teria se comprometido em pagar os salários atrasados apenas em janeiro de 2017. Mas as demissões não se resumem à Secretaria de Educação. Também houve cortes na Secretaria de Serviços Públicos e até na Procuradoria Jurídica.

Veja também:   ST se despede do escritor José Alves Sobrinho

O gesto do governo de demitir, logo após as eleições, já tinha sido ‘profetizado’ pela oposição (relembre). Em setembro, o deputado Sebastião Oliveira revelou à imprensa um relatório mostrando a existência de 1.094 cargos comissionados. Segundo ele, a maioria contrato irregulares. Na época, Sebastião Oliveira ingressou com uma ação na Justiça contra o prefeito Luciano Duque, por improbidade administrativa.

As demissões ocorridas na Educação podem ser o sinal que a partir de agora o governo Duque vai acelerar o processo de corte de contratos com o objetivo de enxugar a máquina pública e chegar em dezembro com as contas equilibradas perante o Tribunal de Contas do Estado (TCE). A reportagem tentou conversar com o secretário Edmar Júnior, que não respondeu as ligações.

Veja também:   Serra-talhadense morre após Covid em Recife