Por Globo Esporte

O pai de Neymar será o responsável por pagar a fiança de Daniel Alves, de acordo com o jornal “La Vanguardia”. A Justiça aceitou nesta quarta-feira a liberdade provisória do lateral, mediante pagamento de 1 milhão de euros (cerca de R$ 5,4 milhões).

Neymar e seu pai já haviam ajudado Daniel Alves ao pagar 150 mil euros, requeridos pela Justiça como indenização à vítima do caso de agressão sexual pelo qual o lateral foi condenado. Na época, o pagamento serviu como atenuante para diminuir a sentença para quatro anos e meio

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol pelo Instagram (clique aqui)

A 21ª Seção do Tribunal de Justiça de Barcelona aceitou o pedido da defesa de Daniel Alves para deixá-lo em liberdade provisória. O anúncio foi feito nesta quarta-feira. O jogador brasileiro, que cumpria prisão preventiva há 14 meses, havia sido condenado a quatro anos e meio de prisão por agressão sexual.

Por maioria de votos, a corte decidiu deixar o lateral fora da prisão enquanto os recursos são julgados, mediante fiança de 1 milhão de euros (R$ 5,45 milhões), entrega dos passaportes brasileiro e espanhol, e afastamento de 1km e incomunicabilidade com a vítima, além de não deixar a Espanha e se apresentar ao tribunal semanalmente. As partes têm três dias para recorrerem dessa decisão.

Veja também:   Empresa emite nota sofre furto de serra-talhadenses

Receba as manchetes do Farol em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

Na decisão, o tribunal explicou que a prisão preventiva exige ser “objetivamente necessária” e que “ou não existam outras medidas menos onerosas que possam ser adotadas ou dure o tempo mínimo imprescindível” para todo o processo. Sobre o risco de fuga, apontou “levar em conta as circunstâncias pessoais do réu para avaliar a necessidade de manutenção” da prisão preventiva.

único voto contrário foi de Luis Belestá. Para ele, a prisão preventiva de Daniel Alves deveria continuar até metade da pena (dois anos e três meses) porque “os argumentos que levaram à prisão preventiva não só foram confirmados mas também reforçados”. Lembrou que “em três ocasiões este tribunal considerou que havia risco de fuga, a última em novembro de 2023, e as circunstâncias não só se mantêm atualmente mas também foram incrementadas com a sentença e a possibilidade de a pena ser aumentada por recurso”. E salientou que “todas as seções do tribunal ratificaram decisões de prorrogar a prisão preventiva para evitar risco de fuga, inclusive de penas inferiores à imposta ao Sr. Alves”.

Veja também:   FIS abre matrículas para cursos nas áreas de Contabilidade, Direito e Saúde