Do G1

O médico Rodolfo Aparecido da Silva, pai de Alicia, que morreu aos 7 anos vítima da Covid-19, em Ribeirão Preto (SP), está feliz e aliviado com a inclusão das crianças de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Vacinação pelo Ministério da Saúde.

Além de Alícia, que faleceu em janeiro do ano passado, Silva também tem outros dois filhos, sendo uma menina de três anos e um menino de 11, que poderá receber as doses da Pfizer.

“Estamos vibrando aqui. Ele vai fazer 12 anos e estava torcendo para isso. Se Deus quiser, [a vacinação] rapidinho já vai começar. Minha outra filha ainda não entra, mas logo logo, vai entrar”, comemorou.

Em dezembro, após a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para vacinar os mais novos, Silva chegou a dizer ao g1 que já tinha passado da hora de liberar a imunização infantil diante da demora nas ações do Ministério da Saúde.

“Continuo achando que podia ter liberado isso antes, mas graças a Deus não demorou muito. Estamos falando de dezembro e já no início de janeiro está liberado. Fico feliz. Tem aumentado muito os casos de Covid novamente”.

O médico alertou para o fato de que crianças, muitas vezes, não falam o que estão sentindo e, por isso, a vacina é a maior proteção que os pais podem oferecer.

“Nem sempre a criança vai falar oque está sentindo por medo de remédio, injeção. Vacinar é o que vai fazer a diferença. A gente nasce e já ganha vacina. É a diferença que pode salvar a vida das pessoas”.

Como vai ser a vacinação?
De acordo com o governo, a vacinação será feita das crianças mais velhas para as mais novas, com prioridade para quem tem comorbidade ou deficiência permanente.
A autorização por escrito só será necessária se não houver pai, mãe ou responsável presente no momento em que a criança for vacinada;
Primeira e segunda dose serão aplicadas com intervalo de oito semanas – um prazo maior que o previsto na bula, de três semanas;
O Ministério da Saúde orienta que os pais “procurem a recomendação prévia de um médico antes da imunização” – mas não exigirá receita médica para aplicar a vacina.

Veja também:   Bolsonaro sanciona piso da enfermagem, mas veta reajuste pelo INPC

3,7 milhões de doses ainda em janeiro

Na quarta-feira (5), ao anunciar a liberação da imunização para crianças, o Ministério da Saúde recuou e informou que não vai mais exigir receita médica.

A autorização por escrito também será dispensada se pais ou responsáveis estiverem presentes na hora da aplicação das doses.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), o Brasil tem cerca de 20,5 milhões de crianças na faixa etária entre 5 e 11 anos. O Ministério da Saúde informou nesta quarta que já encomendou mais de 20 milhões de vacinas pediátricas da Pfizer, quantidade suficiente penas para a primeira dose.

De acordo com a pasta, O Brasil deve receber 3,7 milhões de doses pediátricas no próximo dia 13. A distribuição do imunizante aos estados começará a ser feita no dia 14, se o cronograma for cumprido.

O Ministério não informou, no entanto, a data de início da aplicação das doses.