Paulo Câmara dá calote em produtores de ST

Publicado às 13h58 desta segunda-feira (2)

Mais de 50 pequenos produtores da Cooperativa de Leite de Água Branca, na zona rural de Serra Talhada, estão sem receber há 7 meses repasses financeiros do governo Paulo Câmara. A grave denúncia veio a público nesta segunda-feira (2), quando um dos cooperados, de nome Francisco, foi ao programa Frequência Democrática, na rádio Vila Bela FM, expor o sentimento de indignação da comunidade quem vem passando por sérias privações na renda e na subsistência familiar devido a negligência da gestão estadual.

Veja também:   Estado Islâmico lança ataques suicidas em cidade retomada pelo governo

O cooperados estão dizendo-se desesperados. “O presidente da cooperativa mora em Recife. Aí ele veio no mês de julho e prometeu para todos os produtores que até o dia 10 de agosto o governo [de Pernambuco] ia liberar o dinheiro e fazer o pagamento de todo o mundo. Hoje já são 2 de setembro. Ele [o presidente da cooperativa] teve aqui na semana passada, foi na propriedade dele, mas não deu satisfação nenhuma aos produtores. Era para ter feito uma reunião e dado satisfação aos produtores e foi embora sem nos dá satisfação alguma”, relatou Francisco, detalhando o estado de abandono das famílias:

Veja também:   PROJETO: Câmara Federal quer tornar assassinato de policial crime hediondo

“A gente está aqui, nessa situação. Se liga para lá [Recife], o pessoal do programa diz que está aguardando o Governo do Estado liberar [a verba]. Estamos há 7 meses sem ver a cor do dinheiro. Até agora é só promessa, só promessa. Mas não tem data. Nenhum vereador veio falar com a gente. Só aparece na época de eleição, só atrás de votos. Até agora nenhum apareceu”. O governo do Estado compra o leite da cooperativa de Água Branca para distribuir na merenda escolar de várias escolas estaduais da região.

Veja também:   Lula pretende baratear viagens para aposentados, empregadas domésticas e outros grupos

Os pequenos produtores fornecem o laticínio para educandários em Calumbi, Flores, Serra Talhada, Floresta, Santa Cruz da Baixa Verde e Bom Nome (em Belmonte). Além do leite, os cooperados gastam com manutenção e combustível dos caminhões que fazem a entrega do produto na escolas da região. O grupo informou que está se organizando para acionar o Ministério Público.