Do g1

Foto: Cícero Oliveira/Divulgação

O uso de máscara em locais fechados deixa de ser obrigatório em Pernambuco a partir da quarta-feira (20). A liberação do item de proteção foi anunciada pelo governo do estado nesta terça-feira (19), após 703 dias desde o início da medida, em maio de 2020, adotada devido à pandemia da Covid-19.

No entanto, em alguns locais fechados no estado, o uso da máscara continua sendo obrigatório:

Ônibus, metrô e respectivos locais de acesso (embarque e desembarque). Escolas; Hospitais, consultórios e demais unidades de saúde. O novo decreto foi assinado pelo governador Paulo Câmara (PSB) 20 dias depois da liberação das máscaras em locais abertos em Pernambuco, em vigor desde 29 de março. A obrigatoriedade do uso de máscara em todo o estado estava em vigor desde o dia 16 de maio de 2020. A medida, inicialmente, era somente para funcionários de serviços essenciais e passou a valer para toda a população de Pernambuco.

Indicadores em queda

Em um pronunciamento por vídeo enviado à imprensa, o governador Paulo Câmara (PSB) disse que o estado encerrou, no sábado (16), uma semana epidemiológica com todos os indicadores da pandemia da Covid-19 em queda. “Também na semana passada, atingimos o patamar de 80% da população vacinada com duas doses ou dose única, e mais de 80% dos maiores de 60 anos com a dose de reforço. Esses números nos dão condições de avançar mais um passo no nosso Plano de Convivência com a Covid e encerrar a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais fechados”, afirmou o governador.
No boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde nesta terça-feira (19), Pernambuco confirmou mais 1.037 infectados pelo novo coronavírus e dez mortes de pessoas com a Covid-19, totalizando 915.203 casos da doença e 21.552 óbitos pela infecção.

Veja também:   Serra-talhadense é o novo nome à federal

Na gravação, Paulo Câmara também declarou que é preciso seguir incentivando a vacinação contra a Covid-19.

“Foram dois longos anos com a necessidade do uso de máscaras como medida preventiva, e só está sendo possível essa flexibilização pela consciência e compromisso da absoluta maioria da população, que acreditou na ciência e nas orientações das autoridades sanitárias. Vamos continuar incentivando a vacinação e trabalhando para encerrar definitivamente esse capítulo da nossa história”, disse.