Por assédio moral, ex-presidente da Fundação Palmares fica inelegível
A punição aplicada teve como base um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) aberto em 2021 pelo Ministério Público do Trabalho (MPT)

Por Agência Brasil

A Controladoria-Geral da União (CGU) determinou que o ex-presidente da Fundação Cultural Palmares Sérgio Camargo fique inelegível por 8 anos. Ele também não poderá ser indicado para cargos em comissão ou funções de confiança no Poder Executivo Federal pelo mesmo prazo.

A sanção de destituição de cargo em comissão, publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (17), é resultado de um processo administrativo disciplinar (PAD) instaurado para apurar a prática de assédio moral.

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui)

Segundo a CGU, foram comprovadas condutas praticadas por Sérgio Camargo como violação da moralidade administrativa por promover demissões de terceirizados por motivos ideológicos, uso do cargo para contratar empregado terceirizado e tratamento sem urbanidade a diretores e coordenadores hierarquicamente subordinados.

Veja também:   Bolsonaro pode ficar inelegivel. Entenda o caso

Sérgio Camargo foi presidente da Fundação Palmares entre novembro de 2019 e março de 2022. Ele também já foi alvo de uma ação civil pública apresentada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) por assédio moral contra servidores e colaboradores da entidade.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)