Dr. Luiz Pinto questiona moralistas de ST: 'Falar de maconheiro?'O que um maconheiro é pior do que você? Em quê? Foi assim, de forma provocativa, que o pré-candidato a prefeito de Serra Talhada pelo Psol (Partido Socialismo e Liberdade), Dr. Luiz Pinto, questionou interlocutores em uma entrevista de rádio esta semana.

O médico, que já declarou que vai lutar pelo voto de protesto na cidade contra o vai e vem centenário de famílias tradicionais na prefeitura, criticou o moralismo das pessoas em querer julgar os outros sem antes olhar para seus próprios defeitos.

Veja também:   Médico de Tiringa revela detalhes da cirurgia

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

Luiz Pinto foi questionado pelo fato de fazer parte do Psol, partido de esquerda e que defende uma plataforma ideológica de inclusão dos mais pobres e excluídos da sociedade.

Citando o filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900), o pré-candidato a prefeito devolveu, em tom enérgico:

“Melhor são os imorais, porque são autênticos do que os falsos moralistas [que são] contra maconheiros, contra prostitutas, contra travestis e na realidade na calada da noite saem das igrejas para fazer suas anarquias.”

Veja também:   Médico de ST passa por cirurgia após descobrir doença

“E vem você aqui falar de prostituta? Falar de maconheiro? Você vir na qualidade de moralista falar do maconheiro? Faça isso, não! Devemos respeitar os diferentes sim!”

Em entrevista recente ao Farol, Dr. Luiz Pinto declarou que vem para disputar “sem dinheiro”, acreditando que ao menos terá dois votos, o seu próprio e o de sua esposa.

Apesar disso, segundo o presidente municipal do Psol, Ari Amorim, o nome de Luiz Pinto estaria apresentando uma boa receptividade entre a população.

Dr. Luiz Pinto disse, em entrevista ao Farol, que quer os votos dos excluídos sociais, e citou a classe LGBTQIA+, entre outros. Um dos motes de sua campanha é a melhoria da saúde e a transparência nos investimentos públicos.

Veja também:   Qual a saída quando não encontramos respostas?

VEJA A ENTREVISTA DE DR. LUIZ ABAIXO