Da ISTOÉ

Foto: POOL/AFP

O presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, concedeu um indulto a milhares de prisioneiros, incluindo o jornalista Hosam Monis, detido por “divulgação de notícias falsas”, anunciaram autoridades nesta quarta-feira.

No total, o presidente egípcio indultou 3.273 prisioneiros por ocasião do aniversário da “libertação do Sinai”, península ocupada entre 1967 e 1982 por Israel, informou o Ministério do Interior.

Monis, que também é uma figura da esquerda egípcia, foi condenado a quatro anos de prisão em novembro por “divulgação de notícias falsas”, acusação usada com frequência no Egito contra opositores, segundo ONGs de defesa dos direitos humanos.

O anúncio é feito após a libertação de 41 presos políticos em detenção provisória, incluindo líderes da revolta popular de 2011, que derrubou o presidente Hosni Mubarak. Desde que chegou ao poder, em 2013, Abdel Fattah al-Sisi é acusado por organizações de defesa dos direitos humanos de ter censurado a população.

O Egito tem mais de 60.000 pessoas presas por crimes de opinião, incluindo “militantes pacíficos, defensores dos direitos humanos, advogados, universitários e jornalistas, presos por exercerem seu direito à liberdade de expressão, de reunião pacífica e de associação”, segundo a Anistia Internacional.

Veja também:   Recompensa de R$ 2 mil após show de João Gomes