Queda de receita coloca Márcia na ofensiva contra o Governo Federal

Foto: Divulgação Amupe

Publicado às 05h28 desta quarta-feira (16)

O clima é de tensão entre a maioria dos prefeitos pernambucanos em virtude das sucessivas quedas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), nos últimos meses. A prefeita de Serra Talhada, Márcia Conrado, presidenta da Associação Municipalista de Pernambuco (AMUPE) montou uma ofensiva, desde a última segunda-feira (14), para pressionar o governo federal na mudança de rumo na distribuição do fundo.

“Não podemos ficar parados diante dessa situação, pois quem sofre é o povo. Pra vocês terem ideia, somente em julho houve uma queda de 34% no repasse da primeira parcela do Fundo de Participação dos Municípios, em relação ao mesmo período do ano passado”, disse a prefeita, durante reunião com dezenas de prefeitos, em Recife.

Veja também:   AGENDA CULTURAL: Flist, Gabriel Diniz e barzinhos animam o fim de semana em ST

O clima é de ‘pires nas mãos’ entre os prefeitos. Boa parte depende do FPM para pagar salários dos servidores. “Muitas cidades estão sofrendo com as consecutivas quedas de receitas repassadas para as despesas das cidades. Isso afeta sobretudo o povo pernambucano, pois sem recursos necessários é difícil fazer novos investimentos, novas entregas e cumprir com as obrigações das gestões”, admitiu Márcia Conrado.

Ontem (terça-feira), em Brasília, a prefeita se juntou a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) com mais 2 mil prefeitos, para fazer mais pressão no governo federal. “Com a aprovação da Reforma Tributária na Câmara Federal, precisamos que o projeto traga garantias aos municípios. Por isso, a CNM está organizando a reunião entre os gestores municipais e os senadores federais para evitarmos que não tenhamos ainda mais perdas”, justificou.

Veja também:   Novo rompimento em adutora deixará 7 bairros de ST sem água; confira os locais afetados