Raquel Lyra troca comando das polícias Militar e Civil
Novo comando da PMPE e PCPE – Foto: Reprodução/G1 Pernambuco

Por G1 Pernambuco

A governadora Raquel Lyra (PSDB) exonerou, na noite de segunda-feira (22), o comandante geral da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE), coronel Tibério César dos Santos. No lugar dele, assume o coronel Ivanildo Cesar Torres de Medeiros. Já o delegado Renato Márcio Rocha Leite fica à frente da chefia da Polícia Civil, que era ocupada pela delegada Simone Aguiar.

As mudanças acontecem dois dias após confrontos entre torcedores do Sport e do Santa Cruz no Grande Recife, antes do primeiro clássico do Campeonato Pernambucano de 2024, que deixaram um policial militar e dois torcedores baleados.

Em entrevista à TV Globo, o diretor especializado da PMPE, coronel Ivson Amílcar, disse que o policial que foi baleado estava dentro da viatura, no meio do confronto, quando foi atingido por uma bala que transfixou o veículo e o atingiu no braço.

Veja também:   Encontro de movimentos sociais debate conjuntura de 2024 em ST

Coronel Ivson Amílcar explicou como aconteceu o confronto de torcidas que deixou policial baleado

Segundo o Governo de Pernambuco, as alterações no comando das polícias serão publicadas no Diário Oficial da terça (23). Em entrevista coletiva na segunda (22), a Polícia Militar divulgou detalhes das abordagens e prisões que transformaram algumas regiões do Grande Recife em campo de batalha.

Imagens enviadas ao WhatsApp da TV Globo mostram torcedores jogando pedras, soltando bombas e fogos e trocando socos e pontapés no meio da rodovia PE-15, em Paulista, no Grande Recife (veja vídeo abaixo).

Policial e dois torcedores são baleados durante briga de torcidas do Sport e do Santa Cruz antes do primeiro clássico do ano; VÍDEO

Durante a entrevista à TV Globo, o coronel Ivson Amílcar disse que “causou surpresa o tipo de material utilizado” nos itens apreendidos.

“Em nome do nosso comandante-geral, Coronel Tibério, toda a Polícia Militar do Estado de Pernambuco lamenta os episódios protagonizados na capital e na Região Metropolitana, que se apresentaram de forma difusa, o que dificultou o trabalho das equipes policiais. (…) Inclusive, causou surpresa o tipo de material utilizado: artefatos explosivos caseiros maximizados com esferas metálicas, com pregos, com aerossol de desodorante, tudo para patrocinar o mal. São pessoas mal intencionadas, que se reúnem previamente; esses encontros são marcados. (…) A gente espera que as audiências de custódia se convertam em prisões e que isso sirva de uma forma profilática para desestimular esse tipo de conduta”, disse o diretor da PMPE.

Veja também:   Pente fino no Bolsa Família deve cortar 10 milhões de pessoas