Do CNN

O Ministério da Defesa da Rússia disse nesta sexta-feira (15) que o ataque com mísseis em Vinnytsia, no centro da Ucrânia, teve como alvo uma instalação militar no momento em que uma reunião do comando da Força Aérea Ucraniana estava ocorrendo.

“Em 14 de julho, mísseis Kalibr baseados no mar de alta precisão atingiram a Casa de Oficiais da Guarnição em Vinnytsia”, disse o ministério russo no Telegram.

“Uma reunião do comando da Força Aérea Ucraniana estava sendo realizada nas instalações com representantes de fornecedores estrangeiros de armas discutindo o envio de outro lote de aeronaves e meios de destruição, além de organizar o reparo de aeronaves ucranianas. O ataque resultou na eliminação dos participantes da reunião”, acrescentou.

Veja também:   México quer diminuir produção de cerveja por escassez de água

Pelo menos 23 pessoas morreram no ataque, de acordo com o Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia, incluindo três crianças. Na quinta-feira, o chefe de polícia de Vinnytsia, Igor Klymenko, disse que “três mísseis russos foram direcionados a um prédio com escritórios”.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, descreveu o ataque com mísseis como “terrorismo” e um “assassinato deliberado de civis para espalhar o medo”.

Em seu discurso noturno na quinta-feira, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky pediu à comunidade internacional que reconheça oficialmente a Rússia como um estado terrorista, dizendo que “a Rússia mostrou sua atitude em relação ao direito internacional, à Europa e a todo o mundo civilizado”.