Saiba se quem não está inscrito no Bolsa Família pode ganhar o adicional de R$ 150

Por Seu Crédito Digital

 

A reformulação do Bolsa Família anunciada pelo novo governo, com o pagamento adicional de R$ 150, gerou algumas dúvidas nos brasileiros. Uma delas está relacionada à possibilidade de receber o valor extra mesmo sem estar inscrito no programa. A confusão pode ter sido causada pela palavra “adicional”, que pode dar a entender que será um valor pago à parte.

Contudo, é preciso esclarecer: a parcela adicional só será depositada para os brasileiros que são atendidos pelo Bolsa Família com crianças de até 6 anos. Nesse sentido, não é possível receber nenhuma quantia sem a inscrição devida no Cadastro Único.

Veja também:   ASFALTO: Verba do Governo do Estado começa a transformar o bairro Ipsep em ST

O Cadastro Único é a plataforma de dados usada pelo Governo Federal para saber quais são os brasileiros que atendem aos critérios exigidos e podem receber os benefícios sociais disponíveis.

Adicional de R$ 150 do Bolsa Família em março

Apesar de os pagamentos de R$ 600 terem sido iniciados no último dia 18 de janeiro, o valor extra de R$ 150 ainda não começou a ser depositado.

Isso porque a nova gestão está em processo de atualização do CadÚnico para saber quais são as pessoas que, de fato, são elegíveis ao programa social. Depois da averiguação, o adicional será liberado.

Veja também:   11 de Setembro: após 22 anos, relembre o atentado às torres

Além disso, a reestruturação do Bolsa Família deve ser apresentada a partir do mês de fevereiro, com novas condicionalidades e mais detalhes sobre o funcionamento do benefício.

Assim sendo, os valores completos, ou seja, os R$ 600 somados a até dois adicionais de R$ 150, devem ser disponibilizados para os brasileiros no mês de março.

Inscrição no programa

Como citado acima, o requisito mínimo para a entrada na folha de pagamento do Bolsa Família é a inscrição no Cadastro Único.

Para isso, o cidadão deve comparecer a um posto de atendimento do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) do município, com documentos pessoais e de membros da família em mãos.

Veja também:   Feira do empreendedor tem boa adesão

O processo pode ser agilizado por meio de um pré-cadastro no aplicativo Cadastro Único, disponível para iOS e Android, em que é possível informar dados preliminares.

Podem realizar a inscrição na plataforma os brasileiros com renda mensal per capita de até meio salário mínimo (R$ 651) ou que precisem de algum dos benefícios que exigem o cadastro.

Se essa for a situação do interessado, basta seguir todos os passos da inscrição. Automaticamente, caso sejam atendidos os critérios do Bolsa Família e haja recursos suficientes, a família será adicionada à folha de pagamento do programa.