Durante entrevista a rádio A Voz do Sertão, nesta sexta-feira (25), o deputado Sebastião Oliveira (PR) justificou o fato de ter ingressado com uma série de processos contra o ex-prefeito Carlos Evandro e com uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME) contra o prefeito Luciano Duque (PT) e sua vice Tatiana Duarte (PSC). Evidências de uso da máquina pública durante as eleições em favor dos governistas foi o que motivou “Sebá” a acionar a Justiça.

“Foi o maior uso da máquina da história política de Serra Talhada. Tanto se prova que houve uso da máquina, que no final do ano estourou as contas da prefeitura”, disse Sebastião Oliveira, reforçando as críticas ao prefeito petista. “O que está acontecendo hoje é porque no período eleitoral a máquina moeu toda para candidatura do vice-prefeito Luciano Duque”.

Garantindo que iria exercer oposição ao governo e não à Serra Talhada, o deputado fez questão de apresentar números para justificar seu discurso. “No período de janeiro a maio a prefeitura gastou R$ 1,3 milhão com contratações de bandas e shows. Já de maio a setembro, este gasto subiu para R$ 4,5 milhão incluindo contratações temporárias e mais bandas e shows. Não sou eu que estou dizendo. Está tudo no portal da prefeitura”, despistou ‘Sebá’.

GOVERNO CONTINUISTA

Mesmo ausente de Serra Talhada, Sebastião Oliveira disse que está acompanhando todos os problemas da Capital do Xaxado e, em particular, o não pagamento do mês de dezembro por parte da prefeitura. Ele não isenta o prefeito Luciano Duque de culpa no imbróglio.

“Este é um governo de 8 anos e 25 dias. É um governo de continuidade. Não era ele (Luciano) que vivia dizendo que estava entrosado com a administração? Que conhecia tudo? Como é que agora vem desdenhar dos aposentados dizendo que a prefeitura não é Casa da Moeda? Chega de bravatas! O prefeito tem que deixar de ser irresponsável e assumir que existem falhas”, finalizou.

Veja também:   Márcia 'mergulha de cabeça' no apoio ao deputado Danilo Cabral