Por Luiz Aureliano Carvalho, médico, secretário de Saúde de Serra Talhada e um dos fundadores do PT em Pernambuco

esquerda e direitaNoberto Bobbio, pensador politíco e escritor italiano, do século passado, afirmou em um livro seu com o título Direita ou Esquerda, que uma pessoa define suas opções, suas escolhas e concepções de vida mais ditado ou determinado pelas suas vivências ou experiências concretas de vida, do que por qualquer livro ou teoria que tenha lido.

No caso concreto dele, afirma que quando era criança, passava suas férias escolares no sul da Itália (parte pobre) e todo ano quando voltava nas férias tinha sempre morrido um amiguinho de infância e nunca morria nenhum amigo do norte da Itália (parte rica), aonde morava. Ele disse que aquilo marcou ele definitivamente, já que como criança não entendia aquela injustiça; pois só morriam os amigos pobres do sul e nunca morriam os amigos ricos do norte.

Veja também:   Caruaru confirma mudança no dia da 'Feira da Sulanca'

Isto é o que chamamos em saúde de determinação social da doença, fato que ainda acontece no nosso país, pois ainda temos muitas doenças do atraso, da pobreza, como as doenças infecto-contagiosas, a dengue, a malária no norte do Brasil, além das doenças de transmissão hidrica, doença de chagas, etc…

No meu caso pessoal, a coisa ou o fato que mais me marcou e me doía como criança aqui em Serra Talhada, no fim da década de 1950 e inicio dos anos 60, era ver os flagelados da seca defronte a casa do Prefeito Luiz Lorena (que era nosso vizinho, na Cornélio Soares) mendigando comida e eu achava que aquelas crianças famélicas, magras, desnutridas, não tinham pais, pois eu tinha meus pais que me davam comida todos os dias.

Então, na minha cabeça de criança, eram as crianças sem pais e aquilo me marcou definitivamente e só mais tarde quando adulto é que passei a compreender porque aquilo acontecia; fruto de uma sociedade capitalista, injusta, desumana, onde poucos tem muito e muitos tem pouco.

Veja também:   Aplicativo do Bolsa Família atualizou o valor de Junho? Veja consulta

Por isto, quem é de esquerda defende o papel de um Estado forte, pois ele foi criado exatamente para equilibrar as relações sociais, intervir em favor de quem mais precisa, dos mais fracos. O Estado precisa e tem que intervir para garantir os direitos básicos de cidadania, justiça pública e eficiente, moradia decente, saúde, educação, emprego e renda, transporte, etc…. É isto que defendemos, nós de esquerda, além de probidade com a coisa pública, como bem se posicionou Olivio Dutra, ex-governador do Rio Grande do Sul.

No Brasil, grande parte dos políticos da direita, que sempre estão apoiando o governo de plantão, da ditadura militar até os dias de hoje, não se assumem como capitalistas, de direita, até porque entraram na política para enriquecerem, se locupletarem com o dinheiro público.

Veja também:   'Baque considerável na extrema direita'; 'fim das esperanças do populista', veja repercussão internacional

Político que enriquece fazendo negócios para si e para os seus apaniguados, usando a máquina pública, além de tudo é desonesto! Não se enriquece fazendo política honestamente. Ainda hoje a máquina pública está apropriada por estas oligarquias, tipo Sarney no Maranhão, é uma lástima.

Temos que tornar o serviço público republicano, transparente, eficiente, eficaz socialmente e isto só se faz com concurso público, criando plano de carreira para os servidores públicos, diminuindo fortemente os chamados cargos de confiança. No Brasil todo, nas três esferas de governo são mais de 100 mil, enquanto na Inglaterra são apenas 106 cargos, pasmem! O povo precisa tomar consciência e saber escolher bem os seus governantes e acabarmos com a privatização do serviço público, com o cumpadrio, o parentesco (nepotismo). Espero que um dia cheguemos lá.