Publicado às 14h08 desta terça-feira (10)

Farol com informações do Blog do Magno

A ministra Regina Helena Costa, do Superior Tribunal de Justiça, indeferiu o recurso do ex-prefeito de Serra Talhada, Carlos Evandro, do Avante, contra a decisão de instâncias inferiores que o julgou ficha suja por ter contas rejeitadas em sua gestão, o que configurou crime de improbidade administrativa.

Ainda cabe apelar ao Supremo, mas advogados ouvidos pelo Blog do Magno acreditam que Evandro não reverte. O Farol também ouviu alguns advogados em Serra Talhada que asseguram o fim da trajetória eleitoral de Evandro.

“Este é o primeiro agravo especial que transitou em julgado desde dezembro de 2019. Carlos perdeu o recurso”, disse um dos especialistas ouvidos pela nossa reportagem.

Veja também:   Samu é alvo da Vigilância Sanitária após denúncia do MPPE em ST

O OUTRO LADO

O advogado e presidente do Avante, Waldemar Oliveira, concedeu entrevista nesta terça-feira (10) ao programa Frequência Democrática, na rádio Vila Bela FM, que refutou a tese de inelegibilidade do ex-prefeito.

“Além de Presidente do Avante, sou advogado também, e tenho acompanhado os processos de Carlos há alguns anos, inclusive essa decisão já tem mais de um mês. Uma decisão que já sabíamos, e estávamos providenciando recurso. Carlos continua nosso pré candidato, nada mudou. A discussão está  no âmbito do STJ, hoje. Mas ainda, com recurso interno e com o supremo. Também tem a discussão no âmbito da justiça eleitoral com o registro da candidatura. No primeiro grau, em Serra Talhada e, depois, no próprio TRE. Não tem nada diferente. Carlos Evandro continua candidato do Avante até que tenha alguma mudança no sentido de não ser o melhor nas pesquisar internas que viemos fazendo”, argumentou Waldemar Oliveira, afirmando estar mantido o ato de filiação de Carlos Evandro, no dia 20.

Veja também:   Homem bêbado quebrou poltronas de avião

“Carlos é um cara com muita proposta e experiência para mostrar. Mostrar tudo que fez. E, essa questão de registro de candidatura, de possibilidade de ser candidato ou não, não cabe a Carlos não, cabe ao jurídico dele. Então, acho que a resposta de Carlos deve ser nesse sentido”.