Trump está na frente em cinco dos seis estados mais decisivos nos EUA

Foto: Joe Raedle / Getty images North America / Getty Images via AFP

Por Folha de Pernambuco

O presidente Joe Biden está atrás do ex-presidente Donald Trump em cinco dos seis estados mais decisivos na disputa pela presidência dos Estados Unidos, a um ano de os americanos irem às urnas.

Pesquisa do New York Times e da Universidade Siena divulgada neste domingo (5) mostra que o democrata enfrenta dois grandes obstáculos para seguir na Casa Branca: convencer os eleitores de que sua idade não é um problema e a profunda insatisfação da maioria deles em relação a como o atual governo toca a economia americana.

Biden perde para Trump, seu mais provável rival no flanco republicano, por margens de três a 10 pontos percentuais em Nevada, Arizona, Geórgia, Michigan, e Pensilvânia.

O democrata está à frente apenas em Wisconsin, por dois pontos percentuais. Na média, nos seis estados decisivos — e em todos Biden venceu Trump em 2020 — o republicano bate o democrata por 48% a 44%.

Foram entrevistados, por telefone, 3.662 eleitores registrados, de 22 de outubro a 3 de novembro. Quando todos os estados são combinados, a margem do erro é de 1,8 pontos.

Impressiona o tamanho do descontentamento com o atual governo. A maioria dos eleitores responde que as políticas de Biden os “prejudicaram pessoalmente”. E a coligação multirracial e multigeracional que elegeu Biden parece especialmente desgastada.

Os grupos demográficos que apoiaram Biden por margens esmagadoras em 2020 são agora mais disputados pelos republicanos, com dois terços do eleitorado total afirmando que o país ruma na direção errada. Eleitores com menos de 30 anos favorecem Biden por apenas 1%.

Sua vantagem entre os eleitores de origem latino-americana caiu para a casa de um dígito e sua frente nas grandes áreas urbanas é metade da que Trump abriu nas regiões rurais. Embora as mulheres ainda prefiram Biden, os homens apoiam Trump por margem duas vezes maior, revertendo a vantagem de gênero que alimentou tantas conquistas democratas nos últimos anos.

E os eleitores afro-americanos – há muito uma fonte de votos para os democratas e para Biden – registam agora 22% de apoio a Trump nestes estados, nível jamais visto na política presidencial para um republicano.

Num sinal notável de um possível realinhamento étnico entre os dois partidos, quanto mais diversificado o estado decisivo, mais atrás Biden aparece na pesquisa, liderando apenas no mais branco dos seis. Trump lidera por 10 pontos em Nevada e cinco no Arizona, estados com grande população hispânica, seis na Geórgia, com substancial eleitorado afro-americano, cinco em Michigan, e quatro na Pensilvânia.

Veja também:   ST registra a segunda morte por Covid em 2022

Rejeição é alta nos dois lados
Biden e Trump são profundamente – e igualmente – impopulares, de acordo com a pesquisa. Mas os eleitores que afirmaram esmagadoramente que o país estava no caminho errado descarregam suas frustrações no presidente de forma enfática.

— O mundo está desmoronando sob Biden — diz Spencer Weiss, especialista em subestações elétricas de 53 anos de Bloomsburg, Pensilvânia, que apoiou Biden em 2020, mas agora pretende votar em Trump, embora ainda tenha algumas reservas.

— Prefiro um líder que seja um modelo positivo para o país. Mas pelo menos acho que Trump é inteligente — diz.

Biden ainda tem um ano para reverter a situação. Os indicadores económicos estão em alta, mesmo que os eleitores não concordem com eles. E Trump continua sendo uma figura polarizadora.

Os conselheiros do presidente, que tem muito dinheiro para a campanha, fazem questão de lembrar que os democratas tiveram sucesso ao limitar as tidas como inevitáveis perdas do partido nas eleições de meio de mandato, em 2022, apesar dos baixos índices de aprovação de Biden.

Ainda assim, a pesquisa divulgada neste domingo mostra como Biden entrará em 2024 com enorme déficit de apoio, mesmo com Trump indiciado por acusações criminais e com prováveis batalhas nos tribunais nos próximos meses.

Se os resultados da pesquisa fossem os mesmos em novembro próximo, Trump provavelmente obteria mais de 300 votos no Colégio Eleitoral, muito acima dos 270 necessários para voltar à Casa Branca.

Outro sinal amarelo para os democratas é que os eleitores, em todos os níveis de renda, dizem que as políticas econômicas implantadas por Biden em seu primeiro mandato os “prejudicaram pessoalmente”.

E a resposta é oposta no caso de Trump. Trump tem uma vantagem de 17 pontos por tê-los ajudado e Biden uma desvantagem de 18 pontos por tê-los prejudicado.

Para Biden, que completa 81 anos no fim do mês, ser o presidente mais velho da história americana é, também, um problema cada vez mais evidente. Uma esmagadora maioria de 71% apontou na pesquisa que ele é “muito velho” para ser um presidente eficaz — opinião partilhada em todos os grupos demográficos e geográficos na sondagem, incluindo impressionantes 54% de quem diz que votará nele.

Veja também:   Colisão frontal no 'Trevo de Serra' deixa feridos nesta 4ª

Em contraste, apenas 19% dos eleitores de Trump, que tem 77 anos, o consideravam demasiadamente velho. Do eleitorado geral, 39%.

Economia é pedra no sapato de Biden
As preocupações com a idade e a acuidade mental do presidente – 62% dos entrevistados também responderam que Biden carece da “rapidez mental” necessária para o cargo – são apenas a ponta do iceberg de fraquezas de Biden revelados pela pesquisa.

Os eleitores, por uma margem de 59% a 37%, disseram que confiam mais em Trump do que em Biden na economia. A preferência por Trump neste quesito é maior entre homens e mulheres, nos com ou sem diploma universitário, em todas as faixas etárias e em todos os níveis de renda.

Isso é especialmente problemático para Biden porque quase o dobro dos eleitores disseram que justamente a economia determinará o seu voto em 2024, em comparação com as questões sociais e culturais, como aborto ou a posse de armas. E esses eleitores do “é a economia, estúpido” favorecem Trump com uma vitória esmagadora: 60% a 32%.

As entrevistas foram feitas após a campanha de Biden ter investido milhões de dólares em anúncios promovendo seu histórico e o presidente percorrer o país para defender a economia americana sob sua direção. “Pessoal, Bidenomics é apenas outra maneira de dizer o sonho americano!” ele declarou na quarta-feira em uma viagem a Minnesota.

Os eleitores, no entanto, mostra a pesquisa, discordam de Joe Biden. Apenas 2% avaliam que a economia dos EUA “está excelente”. Eleitores com menos de 30 anos – grupo que votou em massa em Biden em 2020 – disseram que confiavam mais em Trump do que em Biden na economia por uma margem de 28 pontos percentuais, após anos de inflação e altas taxas de juros, para os padrões americanos, que tornaram as hipotecas, por exemplo, muito menos acessíveis. Menos de 1% dos entrevistados com menos de 30 anos classificaram a economia atual como “excelente”, incluindo zero nessa faixa etária em três estados: Arizona, Nevada e Wisconsin.

— Tinha grandes esperanças no Biden. Mas aí veio a inflação, a guerra na Ucrânia, agora a de Israel com o Hamas, e nossas fronteiras não estão nada seguras — disse Jahmerry Henry, 25 anos, que empacota bebidas alcoólicas em Albany, na Geórgia e planeja votar em Trump.

Patricia Flores, 39, de Reno, Nevada, votou em Biden em 2020, mas não repetirá o ato no ano que vem:

— Não vejo nada que ele tenha feito para nos beneficiar.

Veja também:   Centro Educacional investe em qualidade em Serra Talhada

Dificuldade em reconstruir a ‘muralha azul’
Em 2020, o caminho de Biden para a vitória foi reconstruir a chamada “muralha azul” nos antigos estados industriais de Michigan, Wisconsin e Pensilvânia, e depois expandi-la aos mais diversificados estados do chamado Cinturão do Sol, no sudoeste, incluindo Arizona e Geórgia.

Pois a pesquisa mostra que, no momento, Biden é notavelmente mais forte nos estados industriais do norte do que no mais diversificado Cinturão do Sol.

Os eleitores preferem Trump a Biden na política de imigração por 12 pontos, na segurança nacional por outros 12 e na questão Israel-Palestina por 11 pontos. E, embora uma maioria de 58% defenda o aumento da ajuda econômica e militar à Ucrânia — alinhados à política de Biden — isso não parece beneficiar o presidente na percepção de quem é melhor para a política externa americana.

— Não acho que Biden seja o cara certo para enfrentar líderes mundiais que não o respeitam ou não o temem — disse Travis Waterman, 33 anos, que trabalha na restauração de casas em Phoenix. Ele votou em Biden em 2020, mas agora o vê como “fraco” e deve ir de Trump.

Já em segurança nacional, a disparidade de gênero é gigantesca na pesquisa. Os homens preferem Trump, 62% a 33%; as mulheres, Biden, apertado, 47% a 46%.

A questão mais forte para Biden na pesquisa é sobre o aborto. No tópico, ele abre vantagem de 9 pontos percentuais. O democrata também lidera na confiança dos eleitores, mas por apenas três pontos, em “ser um defensor dos valores democráticos”.

Biden já sobreviveu a maus resultados nas pesquisas. Em outubro de 2022, no período que antecedeu às eleições do meio de mandato, seu índice de aprovação era quase o mesmo do de hoje. E os democratas perderam menos cadeiras do que o esperado na Câmara e ainda ganharam uma no Senado, em parte por pintar os candidatos republicanos como extremistas.

O retrato do momento revela que o grau em que os eleitores se afastam da personalidade e do estilo bombástico de Trump – a cola que tem ajudado a manter unida a coligação democrata – diminuiu. Apenas 46% dos pesquisados disseram que Biden tinha o temperamento adequado para ser presidente, pouco mais do que os 43% de Trump. Dito isto, Trump estará mais sob os holofotes em 2024, inclusive nos tribunais, o que poderá lembrar aos eleitores por que afinal decidiram tirá-lo da Casa Branca em 2020.