IMG-20150423-WA0094

O Projeto de Lei 4.330, que está em processo de discussão e votação na Câmara Federal, tem causado muita preocupação nas classes de trabalhadores públicos em todo o Brasil. O projeto, segundo os setores trabalhistas, visa privilegiar as relações de empregabilidade e manutenção de funcionários para os empregadores, porém acarretará grandes perdas para os servidores e seus direitos. Na Universidade Federal Rural Pernambuco em Serra Talhada (UFRPE/Uast) os técnicos administrativos estão paralisados e juntamente com os sindicatos Aduferpe e Sintufepe realizaram ato contra a terceirização dos trabalhadores públicos.

Em contato com o FAROL, Simone Regina, técnica administrativa da Uast e coordenadora de políticas para mulheres do Sintufepe, informou que a discussão do PL recai sobre a luta dos técnicos administrativos da universidade que buscam melhores condições de trabalho e reconhecimento da carreira. Os técnicos administrativos da UFRPE encontram-se paralisados.

“Hoje tivemos uma paralisação juntamente com o ato contra o PL 4330 e o MP 664 e 665. A intenção desse ato de protesto contra o PL e as MPS, pois elas representam o desmonte de direitos conquistados da classe trabalhadora, fere princípios constitucionais já garantidos. Aconteceu na Uast às 09h com um café da manhã, na frente do Bloco 01. Esse é um tema importante para todos, inclusive para os alunos, se o projeto de lei for votada é o fim dos concursos, isso os atinge também. As classes de trabalhadores têm de dar visibilidade pra evitar que isso não passe no Congresso”, esclareceu Simone Regina.

IMG-20150423-WA0093

“As classes de trabalhadores têm de dar visibilidade pra evitar que isso não passe no Congresso”, esclareceu Simone Regina.

IMG-20150423-WA0092

IMG-20150423-WA0095

Veja também:   Após saída de Karla Millene, governo nomeia interina na XI Geres em Serra Talhada