Veja o que pode acontecer com Zambelli, denunciada por invasão ao CNJ
Foto: Arte de Michael Melo sobre foto de Vinicius Schmidt e Hugo Barreto

Por Metrópoles

Avançam na Justiça as acusações contra a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) no caso que investiga uma invasão aos sistemas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Tanto a parlamentar quanto o hacker Walter Delgatti Neto foram denunciados por invasão de dispositivo informático e falsidade ideológica.

essa terça-feira (23/4), a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou denúncia contra a dupla. Em seguida, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou que ambos apresentem resposta em um prazo de 15 dias.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

Na denúncia, o procurador-geral da República, Paulo Gonet, detalhou o que seria a ação central da parlamentar no comando da invasão levada a cabo por Delgatti. A deputada, na ocasião, teria determinado a emissão de mandado de prisão do ministro Alexandre de Moraes, como se ele mesmo estivesse determinando a própria prisão.

Veja também:   Bolsonaro pede afastamento de Moraes do processo da tentativa de golpe

Gonet considerou que os dois “atuaram com o óbvio fim de prejudicar a própria Justiça, na sua credibilidade e funcionamento regular, além de infamar especificamente a atuação da Justiça Eleitoral, sob a presidência do então do Ministro Alexandre de Moraes, nas eleições de 2022”.

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui

“A ação de Carla Zambelli é elemento central na prática delituosa descrita. Walter Delgatti agiu em conformidade com o direcionamento da denunciada, no intuito de assegurar os benefícios por ela prometidos, materializando a conduta delitiva com a sua aprovação”, destacou.

A defesa da deputada afirma ter recebido o oferecimento da denúncia com surpresa “já que inexiste qualquer prova efetiva que ela tivesse de alguma forma colaborado, instigado e ou incentivado o mitômano Walter Delgatti a praticar as ações que praticou”.

Veja também:   PETROLINA: Após cassação de Lóssio, vereador é convocado para assumir prefeitura

Próximos passos

Antonio Carlos de Freitas Jr, mestre em Direito Constitucional pela USP e sócio do AC Freitas Advogados, explica que os membros da 1º Turma do STF julgarão se aceitam a denúncia. “Para receber a denúncia, a Turma deverá concluir que há indícios mínimos de materialidade e autoria. Importante esclarecer que são indícios e não as provas propriamente ditas”, descreve.

Caso a denúncia seja aceita pelos magistrados, Zambelli e Delgatti se tornam réus. “Uma vez recebida a ação, os réus seriam chamados para apresentar suas defesas e as provas serão produzidas, para, ao fim, decidir-se pela condenação ou pela absolvição dos réus”, descreve Antonio Carlos.

As consequências sobre o mandato de Zambelli ainda são incertas. Antonio Carlos explica que a Constituição Federal prevê que a perda do mandato deve ser decidida por maioria absoluta dos pares da parlamentar. No entanto, o STF tem dado interpretações no sentido de que “sua própria decisão é suficiente para a perda do mandato automaticamente”.

Veja também:   Mulher perde todas as economias e se revolta contra a Caixa

“Essa jurisprudência tem suporte em certa interpretação sistemática da Constituição, trazendo dispositivos do Código Penal e da própria Constituição com a falta do parlamentar decorrente da condenação”, explica. “Teremos que ver, no caso concreto, como o STF se posicionará.”

Na Corte, Zambelli já é ré em um processo por porte ilegal de arma de fogo e constrangimento ilegal com emprego de arma de fogo. O caso se refere à ocasião em que a deputada perseguiu, com uma arma em punho, um homem com quem discutiu na véspera do segundo turno das Eleições de 2022.