Vereador quer pressão para derrotar projeto que beneficia professores, mas exclui servidoresO vereador republicano Antonio de Antenor, provável líder da Oposição na Câmara Municipal de Serra Talhada (CMST), quer ver o plenário da Câmara lotado na abertura do ano legislativo, no próximo dia 6 de fevereiro.

Em conversa com o FAROL, o parlamentar garante que o prefeito Luciano Duque enviou um projeto de lei que será votado na segunda-feira, que discrimina servidores públicos.

“O projeto concede um reajuste de 7,74% para os professores, mas deixa de fora os agentes administrativos e auxiliares de serviços gerais. Isso não é justo. A gente tem que lutar para que todos sejam beneficiados. Sou a favor do reajuste para os professores, mas sou contra deixar outros de fora”, disse Antenor, arrematando:

Veja também:   Polícia encontra 29 armas artesanais e drogas em Centro de Ressocialização no Agreste

“Por isso que convido todos os servidores da educação a comparecer a Câmara e observar quem será contra ou a favor da categoria”. Segundo o parlamentar, houve uma reunião na busca de um consenso nessa terça-feira (31), com o secretário de Educação Edmar Júnior, mas não houve acordo. “O secretário não arreda o pé e disse que tem que ser assim mesmo”.

O OUTRO LADO

A reportagem conversou com o secretário Edmar Júnior, que defendeu  a aprovação do projeto de lei sem alterações, para evitar um ‘rombo’ nas contas públicas.

Veja também:   Candidata a vereadora de ST morre nesta 3ª

“O projeto é para regulamentar o piso salarial dos professores, e não dos servidores. O governo está agindo com cautela com uma gestão responsável. Temos que fazer enxugamento da máquina para não acontecer situações como no ano passado. Se for incluso no projeto o reajuste para outros servidores, haverá um impacto mês de R$ 250 mil e um rombo anual nas contas de mais de R$ 2 milhões”, enfatizou o secretário.