Acusada de matar a filha há 17 anos para ter a guarda do neto é presa
Foto: Divulgação/Metrópoles

Por Metrópoles

Polícia Militar do Paraná (PM-PR) prendeu nesse sábado (11/5) Tânia Djanira Melo Becker de Lorena, que estava foragida havia 17 anos acusada de matar a própria filha, Andréa Rosa de Lorena, com o objetivo de tentar ficar com a guarda do neto.

Tânia foi presa em Marilândia do Sul (PR) depois de uma denúncia anônima sobre o paradeiro da mulher. Na quinta-feira (9/5), o programa “Linha Direta”, da TV Globo, relembrou o caso de 2007.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

Na época, de acordo com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), Andréa foi morta por asfixia após um almoço com a mãe e o padrasto, Everson Luís Cilian, que está preso.

Veja também:   Presbítero evangélico é preso por matar 11 pessoas

Segundo a PM, Tânia usada o nome falso de Lurdes para se identificar para as pessoas. Ela havia sido denunciada pelo MP em 2007 por homicídio triplamente qualificado. Até hoje a denúncia não foi apreciada por ela estar foragida.

Relembre o caso

Andréa Lorena foi morta em 12 de fevereiro de 2007, em Quatro Barras (PR), região metropolitana de Curitiba (PR). Na época, ela deixou dois filhos: um menino e uma menina.

De acordo com a denúncia, a sua mãe e o padrasto usaram um fio elétrico para asfixiar a vítima até a sua morte. Depois, esconderam o corpo debaixo de uma cama. Andréa só foi localizada dois dias depois da sua morte.

Veja também:   Acidente mata mãe, filha e 2 cachorros da família

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui)

Antes do crime, o MP constatou que Tânia e Everson pediam a guarda do neto na Justiça depois de passar um tempo cuidando da criança enquanto a mãe se recuperava de um acidente de moto.

Nos processo que investigou o caso foram colhidos depoimentos. Um deles era do pai da vítima, ex-marido de Tânia. Ele relatou que soube das ameaças da ex-mulher à filha. Também contou que quando Tânia cuidava do menino e Andréa precisava pegar a criança a força.

Veja também:   Família encontra serragem em caixão em vez de corpo de bebê