Estabelecimento de prostituição funcionava na BR-408, em Paudalho — Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação
Estabelecimento de prostituição funcionava na BR-408, em Paudalho — Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação

Por G1 Pernambuco

Uma adolescente de 16 anos foi resgatada de uma casa de prostituição na cidade de Paudalho, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, na noite da sexta-feira (10).

Três pessoas que trabalhavam no prostíbulo foram presas em flagrante.

As prisões e o resgate da vítima aconteceram durante uma operação envolvendo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a Polícia Civil e o Ministério Público do Trabalho (MPT).

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

O objetivo foi identificar e reprimir a exploração sexual de crianças e adolescentes.

Veja também:   Secretário: 'Câmeras já atuam no Centro de ST'

De acordo com a PRF, o prostíbulo funcionava em um imóvel localizado às margens da rodovia federal BR-408.

A adolescente foi encontrada durante uma fiscalização no local e afirmou aos policiais que era explorada sexualmente no estabelecimento.

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui)

Junto ao Conselho Tutelar, ela prestou depoimento em escuta especializada e foi encaminhada para casa.

Ainda segundo a Polícia Rodoviária Federal, o proprietário do prostíbulo e duas mulheres foram presos em flagrante e encaminhados para prestar depoimento na delegacia de Nazaré da Mata, também na Zona da Mata Norte de Pernambuco.

Veja também:   Homem não paga 'rapidinha' e termina na DP

De acordo com a PRF, além do crime de exploração sexual infanto-juvenil, o proprietário do prostíbulo pode responder por rufianismo, popularmente conhecido como cafetinagem, por se aproveitar financeiramente da prostituição de outra pessoa.

No Brasil, a prostituição não é considerada crime, mas a cafetinagem, sim.

As mulheres foram levadas à delegacia sob suspeita de venderem maconha no prostíbulo.

Elas também foram autuadas por ameaça porque coagiram a adolescente a não falar com a equipe policial, segundo a PRF.