Da ISTOÉ

Easton Sinnamon, de um ano, nasceu com um defeito congênito no coração e teve de passar por três cirurgias. No entanto, tudo mudou quando recebeu um coração novo. O procedimento cirúrgico foi realizado no Duke University Hospital, na cidade de Asheboro, na Carolina do Norte (EUA). As informações são do portal R7.

A mãe de bebê, Kaitlyn Sinnamon, informou que descobriu o problema cardíaco de Easton durante um ultrassom quando completou 20 semanas. E ainda tinha o agravante de que uma válvula cardíaca estava danificada. Esse tipo de quadro é raro, afeta apenas 1% dos recém-nascidos nos Estados Unidos.

Além do transplante de coração, Easton também recebeu um tecido do timo, que serve para a defesa do organismo e ajuda a diminuir o número de medicamentos usados para evitar a rejeição do transplante.

O médico pediatra Joseph W. Turek informou que “esse foi um grande passo na direção certa. Espero que um dia, em um futuro próximo, não precisemos mais usar doses tão altas de imunossupressão com essa técnica (tecido do timo)”.

Após a cirurgia, Easton pôde ir para a sua casa e finalmente conheceu a sua irmã mais velha, Ivy, de 4 anos.

Veja também:   Família quase é vítima de tragédia em ST