Brasil está em busca da primeira vacina "anticocaína"

Foto: Douglas Magno/AFP

Por Folha de Pernambuco

Uma vacina que iniba os efeitos da cocaína e do “crack” e ajude os consumidores a abandonar o círculo vicioso da droga: isso é o que busca uma equipe de cientistas brasileiros com a “Calixcoca”, uma promessa alternativa terapêutica em desenvolvimento.

Na semana passada, o projeto ganhou 500 mil euros (pouco mais de 2,6 milhões de reais) do Prêmio Inovação na Saúde, financiado pela farmacêutica Eurofarma, para fomentar soluções inovadoras e de “alto impacto” na área da saúde.

Veja também:   Em PE, vacina contra dengue custa mais que o dobro do valor da Anvisa

“É uma vacina terapêutica, a função dela é ajudar o corpo da dependência química da produção de anticorpos anticocaína. Esses anticorpos se ligam à droga e impedem que ela entre no cérebro”, explica o psiquiatra Frederico Garcia, coordenador do projeto da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Na prática, a vacina busca bloquear a sensação gratificante que a cocaína causa quando ativa a região do cérebro conhecida como “sistema de recompensa”.

Ao romper esse ciclo que leva à compulsão pela droga, a vacina “aumenta as chances” de que os dependentes que estão motivados a continuar na abstinência, consigam fazê-lo, aponta Garcia.

Veja também:   Comerciante serra-talhadense morre aos 74 anos

Nos testes em animais, acima na próxima etapa com humanos, os pesquisadores observaram uma produção significativa de anticorpos contra a cocaína e poucos efeitos colaterais.

Além disso, uma vacina protegeu os fetos dos ratos da cocaína, um resultado que se replicasse em humanos, poderia ajudar no tratamento de mulheres grávidas com problemas de dependência.

Embora tenha tido projetos de pesquisa semelhantes nos Estados Unidos, eles não foram obrigados devido a resultados insuficientes nos ensaios clínicos, entre outros motivos listados por Garcia.

Veja também:   Mais um poste pega fogo em via de Serra Talhada nesse sábado

Não será uma “panaceia”
A “Calixcoca” é o primeiro projeto desse tipo na América Latina e “se os ensaios clínicos mostram que uma vacina é eficaz e as pessoas conseguem esse registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), seria de fato a primeira vacina anticocaína e antidroga do mundo a ser registrado e utilizado como medicamento”, destaca Garcia.