Fotos: Farol de Notícias / Celso Garcia

Publicado às … desta terça-feira (26)

O país inteiro pode ouvir o discurso forte de uma agricultora serra-talhadense que prendeu os olhos do pré-candidato a Presidência do Brasil, e ex-presidente, Luís Inácio Lula da Silva, em sua passagem pela Capital do Xaxado na última quarta-feira (20). No Dia da Mulher Negra, Latino Americana e Caribenha (25 de Julho) a reportagem do Farol de Notícias e da TV Farol entrevistou Dona Buruca, uma militante e sindicalista vinda do 5º Distrito da cidade.

A militante histórica nos recebeu na sua segunda casa, a sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Serra Talhada (STRST). Chegou muito bem vestida, ao lado de uma das filhas e do neto, para dar a entrevista. Recepcionada por diversos companheiros de luta como uma verdadeira celebridade, amada e cuidada pelos seus.

Maria Xavier Feitosa, tem 78 anos, é natural e criada de Lagoa da Pedra, a pouco mais de 40 km do centro de Serra Talhada. Filha de Ildelidia Xavier de Moraes, foi criada pelos avós e desde a infância sempre foi uma menina cheia de energia, trelosa e arteira, daquelas que pula as janelas de casa, pois já estão abertas. O apelido também veio dos avós que criaram junto uma cabritinha ‘buru’, e a avó aproveitou o embalo e chamou a pequena desbravadora de Buruca. O nome pegou!

Casou-se com Francisco Joaquim Feitosa com quem teve quatro filhos: Rosinete, Risineide, Rosângela e Rivaldo. Segundo ela, a família é pequena, tem apenas três netos Igor Roberto, Katia Manfredini e Jakson Rogério, e quatro bisnetos Láysa Minelli, Ana Manfredini, Ana Clara e Pedro Lucas. No auge de seus 78 anos é uma mulher que não espera por ninguém, vai atrás do que deseja. Principalmente, se for uma demanda avexada para ajudar sua gente.

Veja também:   Ameaçada de morte, mulher denuncia o marido em ST

“Minha mãe era muda e surda, fui criada praticamente por meus avós, fui muito bem criada. Casei muito bem e tive um marido muito trabalhador. Trabalhou na rede ferroviária, eu fiquei na agricultura e ele disse um dia, chegou em casa e falou para mim: ‘Maria, eu vou sair da rede ferroviária porque eu tenho muita pena de você, que você vai morrer no serviço’. E eu disse a ele que serviço não mata ninguém, o que mata gente é doença e fome, mas trabalho não. Ele era muito politiqueiro, gostava muito de política e me envolvi muito no sindicato com Vanete Almeida. Coloquemos uma associação com mais de 100 moradores, muito grande. Trabalhava com Cecor, Fetape, era uma pessoa muito conhecida dentro dos trabalhos”, detalhou Maria Xavier.

REFERÊNCIA NA COMUNIDADE 

Há dois anos afastada da linha de frente dos movimentos políticos devido à pandemia da Covid-19, Dona Buruca se isolou na zona rural, mas do seu jeito ainda acolhe toda a comunidade de Lagoa da Pedra. Sensível e atenta a todas as necessidades de seu povo, a agricultora reúne as mulheres locais para lavar roupa na sua casa, já que lá tem água encanada. Em sua casa funciona duas salas de aula da escola local crianças que estudam do Pré-escolar ao 5º ano, a escolinha funciona com duas salas há pelo menos 30 anos.

“Eu trabalhei com Vanete, trabalhei com a avó de Fabinho do Sindicato, aonde ela sempre dizia. Vai ter mudança! E a gente se perguntava que mudança vai acontecer? Tudo devagar… Mas ela dizia, vai mulher, tenha coragem, vai haver mudança! A avó de Fabinho também com muita força e muita garra. E eu dizia, estou a tua espera Vanete! A gente trabalhava e Manoel Santos também sempre ajudando a gente. Eu ainda fui para a Marcha das Margaridas em Brasília, não tô lembrada o ano, mas foi muito bom. Lembro bem de Adalberto, de um bocado de gente do sindicato, da Fetape. Lembro bem de estar sentada naquela grama. Tenho quatro viagens a pé no Juazeiro do Padre Cícero, porque a gente tem que militar e pedir ajuda de todas as formas”, destacou.

Veja também:   Garotos de PE viram destaque no Chile

LIDERANÇA FEMININA 

Maria Xavier militou ao lado da saudosa ‘Netinha’, Vanete Almeida, a maior referência da região da luta das mulheres negras e rurais na região, reconhecida internacionalmente. Dona Buruca foi junto com ela até a Brasília, na Marcha das Margaridas. Em sua lembranças ficou marcado a  sensação de sentar-se em um dos gramados do Palácio do Planalto e observar a multidão de mulheres de luta. Ao Farol, ela comentou a emoção de estar com Lula, mas também enfatizou os problemas sociais que o país enfrenta. Com toda sabedoria deixou para os mais jovens a mensagem feiriana da educação como alimento da alma e liberdade.

“Um momento de felicidade, de uma nordestina abraçar e conversar com o presidente da República, que abaixo de Deus é o presidente da República. Eu me senti como quem eu estava à vontade, estava no meio de muita gente conhecida e a força do povo, a voz do povo é a voz de Deus. Eu acho que com tudo isso chegou aquilo de dizer a Lula, chega vem… que Serra Talhada, Pernambuco, o Nordeste precisa de tu. Eu não fazia ideia que isso pudesse acontecer não, foi uma surpresa para mim. A esposa de Lula cochichou em meu ouvido: não precisa mais ninguém falar, porque o que tinha de dizer você já disse tudo'”, revelou a agricultora, completando:

Veja também:   Psol vai para rua em apoio a Lula no 1º dia de campanha

“Eu comecei em uma vida com uma sala de aula dentro da minha casa. Um dia um rapaz adoeceu e a gente foi correr atrás de um médico para ele e uma moto deu uma queda no cruzamento da prefeitura. Eu fiquei deitada em uma cama por três meses sem poder me movimentar, mas quando souberam o que Luciano Duque pode fazer ele fez. E eu deitada e ouvindo toda zuada da sala de aula, e eu dizia que era para deixar as crianças, muita criança vai para escola só para ter merenda. A fome é muito grave. É muito bom a pessoa ter a barriga cheia e não pensar no outro. Eu não sou assim. A escola era na sala da casa, depois passou a ser na garagem, é ao lado do meu quarto. Essa escola tem mais de 30 anos, ainda hoje está lá”.

Foto: Assessoria de Comunicação

Maria Xavier ao lado de duas fortes lideranças femininas, a presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Iara; e da Prefeita Márcia Conrado

Dona Buruca até hoje é a ‘Presidente de Honra’ da Associação de Moradores da Lagoa da Pedra, suas palavras abrem e fecham as reuniões

VEJA O DEPOIMENTO DE DONA BURUCA NO ATO COM LULA NA TV FAROL