Covid reduziu a expectativa de vida mundial em 1,6 ano
Teste de Covid-19 – Foto: Julien de Rosa / AFP

Da Folha de PE

Não havia dúvidas que a pandemia de Covid-19 teve impacto na expectativa de vida. Mas a dimensão desse impacto era desconhecida, até agora.

Um novo estudo publicado no The Lancet revelou que a expectativa de vida global caiu 1,6 anos entre 2019 e 2021, o que representa uma reversão das tendências anteriores.

“Para os adultos em todo o mundo, a pandemia da Covid-19 teve um impacto mais profundo do que qualquer evento visto em meio século, incluindo conflitos e desastres naturais”, afirma o coautor Dr. Austin E. Schumacher, professor assistente interino de ciências de métricas de saúde no Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME) da Universidade de Washington, nos EUA, em comunicado.

“A esperança de vida diminuiu em 84% dos países e territórios durante esta pandemia, demonstrando os impactos potenciais devastadores de novos agentes patogénicos”.

Lugares como Cidade do México, Peru e Bolívia tiveram algumas das maiores quedas na expectativa de vida nesse período. A investigação apresenta estimativas atualizadas do Global Burden of Disease Study (GBD) 2021.

O GBD 2021 analisa tendências demográficas passadas e atuais a nível global, regional, nacional e subnacional.

O estudo fornece medidas globalmente comparáveis de excesso de mortalidade e é um dos primeiros estudos a avaliar completamente as tendências demográficas no contexto dos primeiros dois anos da pandemia de Covid-19.

Ao estimar o excesso de mortes devido à pandemia, os autores contabilizaram as mortes causadas pelo Sars-CoV-2, bem como as mortes associadas aos efeitos indiretos da pandemia, como atrasos na procura de cuidados de saúde.

Veja também:   Coquetel de anticorpos monoclonais reduz em 81% risco de idosos desenvolverem Covid

Os autores do estudo estimam que a pandemia fez com que a mortalidade global aumentasse entre as pessoas com mais de 15 anos, com incremento de 22% para os homens e 17% para as mulheres.

Como já era de se esperar, os idosos foram os mais impactados. A mortalidade entre pessoas dessa faixa etária aumentou de uma forma nunca vista nos últimos 70 anos.

Por outro lado, a não apagou completamente o progresso histórico e a esperança de vida ao nascer aumentou quase 23 anos entre 1950 e 2021.

Diferenças regionais

Pesquisadores identificaram alta mortalidade durante a pandemia em locais que antes eram menos reconhecidos e/ou notificados.

Por exemplo, o estudo revela que, depois de contabilizada a idade da população, países como Jordânia e Nicarágua registaram um elevado excesso de mortalidade devido à Covid-19, que não era aparente nas estimativas anteriores de excesso de mortalidade para todas as idades.

Ao analisar localizações subnacionais não investigadas anteriormente, as províncias sul-africanas de KwaZulu-Natal e Limpopo registaram entre as mais elevadas taxas de excesso de mortalidade ajustadas à idade e os maiores declínios na esperança de vida durante a pandemia no mundo.

Veja também:   Homem cai em 'golpe do nudes' e perde R$ 1 mil

Por outro lado, os locais com alguns dos mais baixos excessos de mortalidade ajustados à idade devido à pandemia durante este período incluíram Barbados, Nova Zelândia e Antígua e Barbuda.

Mortalidade infantil

O GBD 2021 indica que, apesar da preocupação de que a pandemia poderia ameaçar os ganhos que o mundo tinha obtido no salvamento de vidas de crianças, estas melhorias continuaram, embora a um ritmo mais lento.

As taxas de mortalidade entre crianças menores de 5 anos diminuíram 7% de 2019 a 2021.

Ainda assim, persistem diferenças acentuadas na mortalidade infantil entre regiões.

Em 2021, uma em cada quatro crianças que morreram em todo o mundo vivia no Sul da Ásia, enquanto duas em cada quatro crianças que morreram viviam na África Subsariana.

“Nosso estudo sugere que, mesmo depois de fazer um balanço da terrível perda de vidas que o mundo sofreu devido à pandemia, fizemos um progresso incrível ao longo de 72 anos desde 1950, com a mortalidade infantil continuando a cair globalmente”, disse o co-primeiro autor, Dr. Hmwe Hmwe Kyu, Professor Associado de Ciências Métricas da Saúde no IHME da Universidade de Washington.

“Agora, continuar a desenvolver os nossos sucessos, enquanto nos preparamos para a próxima pandemia e abordamos as vastas disparidades na saúde entre os países, devem ser os nossos maiores focos.”

Tendências populacionais

O estudo GBD 2021 também avaliou as tendências populacionais. A partir de 2017, a taxa de crescimento da população global começou a cair após anos de estagnação. Depois, durante a pandemia da COVID-19, estes declínios aceleraram. Em 2021, 56 países atingiram o pico populacional.

Veja também:   CapCut: os recursos de edição de vídeo gratuitos que você precisa conhecer

Agora, estes países estão vendo suas populações diminuir. No entanto, o rápido crescimento populacional continuou em muitos países de rendimentos mais baixos. Além disso, as populações em todo o mundo estão envelhecendo. Entre 2000 e 2021, o número de pessoas com 65 anos ou mais cresceu mais rapidamente do que o número de pessoas com menos de 15 anos em 188 países e territórios.

“A desaceleração do crescimento populacional e o envelhecimento das populações, juntamente com a concentração do crescimento populacional futuro deslocando-se para locais mais pobres e com piores resultados de saúde, trarão desafios sociais, econômicos e políticos sem precedentes, tais como a escassez de mão-de-obra em áreas onde as populações mais jovens estão a diminuir e os recursos escassez em locais onde o tamanho da população continua a crescer rapidamente”, diz Schumacher.

“Vale a pena reiterar isto, uma vez que estas questões exigirão uma reflexão política significativa para serem abordadas nas regiões afetadas. Como exemplo, as nações de todo o mundo precisarão de cooperar na emigração voluntária, para a qual uma fonte de orientação útil é o Pacto Global da ONU para migração segura, ordenada e regular.”