Família vive constrangimento durante sepultamento em STPublicado às 05h48 deste sábado (17)

Uma serrata-lhadense procurou o Farol para denunciar a negligencia da prefeitura após a morte do aposentado Roberto da Honda, 48 anos.

Além do sofrimento em ter que enterrar um ente querido, a pessoa ouvida pela reportagem disse que o sepultamento correu praticamente no escuro.

Ao Farol, a mulher detalhou que ao chegar no cemitério tiveram que utilizar a lanterna dos celulares para terminar de realizar o enterro, pois não havia nenhuma possibilidade de enxergar a cova.

“Eram seis horas. Foi bastante constrangedor, estávamos tropeçando nos túmulos por não haver luz no cemitério. Você vai para as grandes cidades e os cemitérios são todos iluminados e aqui não tem uma luz. É muito ruim, muito esquisito a pessoa ter que enterrar seu ente querido no escuro”, disse a popular que estava no momento do enterro. O problema de falta de energia no cemitério municipal vem se tornando recorrente. No dia 26 de maio deste ano, outra família denunciou ao Farol de Notícias o episódio de enterro “às escuras” [relembre aqui].

Veja também:   Putin quer a Rússia entre as 5 maiores

O OUTRO LADO

O Farol entrou em contato com o secretário municipal de Iluminação Pública e Energia Pública, Marcos Melo, que confirmou a falta de iluminação.

“A causa da falta de iluminação no cemitério foi devido ao furto da rede elétrica e vandalismo. O material para correção está sendo adquirido e nos próximos dias os serviços serão realizados”, informou.