Publicado às 13h40 desta quinta-feira (19)

Durante essa quarta-feira (18), o país se mobilizou através da campanha do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Infantil, tendo em vista que no Brasil, segundo o Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, 3 meninos ou meninas são abusados a cada hora. Entre as vítimas, 51% têm entre 1 e 5 anos de idade.

Há um alto índice de violência sexual infantil registrados no país mesmo sabendo que, segundo o levantamento nacional, apenas 7,5% dos casos chegam a ser denunciados às autoridades e esse percentual corresponde a 500 mil crianças e adolescentes. O Farol fez um levantamento dos casos em Serra Talhada e apurou que em 2021 foi registrado 11 estupros de vulneráveis e em 2022 foram 3. Em conversa com o Farol, a Delegada de Polícia, Dra. Andreza Gregório, orientou à população a ficar alerta aos sinais e ouvir as vítimas através da primeira escuta e procurar de imediato a escuta profissional.

”Na maioria das vezes, não há evidências físicas da violência sexual intanto-juvenil. Posso destacar alguns sinais que podem indicar abuso sexual: as mudanças de humor repentinas e aparentemente desmotivados, como vergonha excessiva, retraimento, rejeição ao toque, retraimento, isolamento, automutilações, crianças que tem um gestual, fala ou desenhos com conotação sexual. Importante enfatizar que a palavra da criança e do adolescente nesses casos deve ser valorizada e respeitada”, explicou a delegada Dra. Andreza Gregório em conversa com o Farol.

”O abusador sempre busca silenciar a vítima, manipula emocionalmente para não perceber que estar sofrendo o abuso sexual ou promete cometer mal grave caso ela fale. Por isso, é essencial que os familiares e pessoas próximas estejam disponíveis para ouvi-las e ajudá-las, sem duvidar dos relatos que apresentem espontaneamente e encaminhe para uma escuta especializada por um profissional capacitado na Rede de Proteção, que envolve CRAS/CREAS, Conselho Tutelar, Delegacia de Polícia e Ministério Público. É preciso denunciar qualquer forma de abuso e exploração sexual, pois o silêncio e a falta de punição podem gerar traumas irreparáveis”, concluiu.

Veja também:   Líder da oposição em Mirandiba declara apoio à Marília

Além dos 14 casos de abuso sexual de vulnerável registrados em Serra Talhada entre 2021 e 2022, também foram registrados 8 estupros de adultos, sendo 5 em 2021 e 3 registrados em 2022.