Professores da Aeset dizem que não vão "chantagear" Márcia
Aeset em Serra Talhada – Foto: Reprodução

Ainda corre solta a polêmica da falta de pagamento dos salários dos professores da Autarquia Educacional de Serra Talhada (Aeset).

Na tarde desta terça-feira (24), os docentes da instituição emitiram a terceira nota sobre o assunto. Desta vez, detalhando cada passo dado pela Comissão de Comunicação Docente da Aeset para resolver o imbróglio.

No novo documento a Direção Pedagógica da Fafopst afirmou que os professores não querem “chantagear” ou utilizar de “comunicação violenta” e “desrespeitosa” para tratar do atraso de quase 60 dias nos pagamentos dos educadores.

NOTA DE REPÚDIO E ESCLARECIMENTO

Cumprimentando cordialmente a todos, enquanto representante da classe docente da instituição de ensino superior Autarquia Educacional de Serra Talhada (AESET), gostaria de manifestar o repúdio do grupo o qual represento às informações disponibilizadas em matéria publicada no portal Farol de Notícias na manhã de hoje (quarta-feira, 24).

Veja também:   'Na Saúde falta remédio', diz Faeca sobre o gov. Márcia

A pessoa ou grupo que se fez fonte do Farol de Notícias usou de má fé no disponibilizar de informações falsas em relação à reunião de servidores realizada na última segunda-feira (22), convocada para tratar de alguns problemas enfrentados pela instituição.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

No encontro realizado nas dependências da AESET, foram respeitosamente discutidos alguns pontos que necessitam de atenção imediata por parte da gestão municipal e, também respeitosamente, foi solicitado um novo encontro entre a Sra. Márcia Conrado de Lorena e Sá Araújo, enquanto Prefeita do município de Serra Talhada, ao qual nossa instituição de ensino pertence, e os docentes da AESET.

Veja também:   'O futuro de ST está nas mãos de Marília Arraes', diz PC Gomes

Dada a urgência das questões da instituição, foi estabelecida uma comissão interna e docente de comunicação para ser ponte entre as partes envolvidas.

No dia seguinte à reunião (terça-feira, 23), esta comissão estabeleceu um prazo de 72h (setenta e duas horas), a contar da quarta-feira (24), para receber o retorno sobre o encontro solicitado e, o mesmo não acontecendo, a referida comissão ou corpo docente da instituição se reuniria novamente para mais uma vez discutir sobre o enfrentamento às questões pertinentes à instituição.

Acreditamos na força do diálogo claro e respeitoso. Concebemos essa prática como a ideal maneira de fazermos uma reflexão conjunta para identificação e resolução dos problemas institucionais da Autarquia Educacional de Serra Talhada.

Veja também:   Márcia diz como quer retomar obras da UPA e Samu em ST

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui)

Convocamos o poder municipal (por meio de ofício protocolado na manhã de hoje no Gabinete da Prefeita), sob a representação da Sra. Márcia Conrado Lorena e Sá Araújo, para tal momento. Não fazemos uso de chantagem ou qualquer outro tipo de comunicação violenta e, portanto, desrespeitosa.

Lamentamos que entre nós existam pessoas como as responsáveis pelas inverdades publicadas na matéria, principalmente quando existe a possibilidade da fonte ser docente.

Sra. Renata Machado de Medeiros, Diretora Pedagógica da Faculdade de Formação de Professores de Serra Talhada (FAFOPST/AESET) e Integrante da Comissão de Comunicação Docente AESET