Fotos: Arquivo Pessoal / cedidas ao Farol de Notícias

Publicado às … desta segunda-feira (11)

A quadrilha junina Estação da Farra celebrou neste sábado (9) seu arraial tradicional no bairro José Rufino Alves, mais conhecido como Caxixola. O São João de bairro que sustenta cerca de 30 anos de festa e alegria no bairro reúne gerações de moradores da comunidade.

Em conversa com o Farol de Notícias, o jovem fotógrafo Erick Vinícius um dos organizadores do atual Estação da Farra, comentou que seus pais, primos, tios e avós e de muitos jovens do bairro já fizeram parte da folia junina.

A quadrilha esteve presente na puxada matuta na abertura do São João da cidade e, se apresentaram na Estação do Forró. Até mesmo o professor, historiador, escritor e colunista do Farol de Notícias, Paulo César Gomes, já realizou casamento a quadrilha e recordou de alguns momentos gostosos da tradicional tipicamente nordestina.

Veja também:   Marília com 34% e Miguel com 13%

Quadrilha ‘Ah… Eu Tô Maluco” em 1998

“Uma das primeiras quadrilhas da Caxixola que eu me recordo aconteceu em 1991, nas proximidades da Igreja São Francisco de Assis. Tinha um bar com alpendre, bem regional com palha de coqueiro, com cerca de madeira. Durante anos ficou desativada, mas em 1998 muita gente cobrava atividades de lazer na Caxixola, e nós fizemos a quadrilha que chamasse “Ah… Eu Tô Maluco”, tradicionalmente as quadrilhas da Caxixola ocorriam na noite de São Pedro, dia 29. Nesse ano usamos o carro de som de Seu Raimundo Santana, o puxador da quadrilha foi Edson Gigi, que era um jogador do time da Caxixola. Eu fui o padre, teve o casamento matuto. Todo mundo ficou muito empolgado, envolveu todo o bairro. Tinha o soldado, a prostituta, a rainha do milho, a princesa. Se não me falha a memória o noivo era Baião, e a noiva era Gorete”, relembrou o historiador que viveu por muitos anos na comunidade.

Veja também:   A inaguração festiva da luz elétrica em posto de Serra Talhada

Este ano, a quadrilha homenageou uma de suas moradoras que foi vítima de feminicídio. A jovem foi assassinada pelo marido há alguns anos e iria se apresentar junto com os colegas no arraial, antes da pandemia adiar o evento.

VEJA IMAGENS DOS ENSAIOS DA ESTAÇÃO DA FARRA