Publicado às 05h05 desta quarta-feira (11)

Imagem: Divulgação

Da Assessoria

O grande objetivo de quem está na gestão pública deve ser trabalhar para devolver a esperança à população em meio aos desmontes praticados pelo Governo Federal em áreas como a da assistência social. A declaração foi dada pelo secretário de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude de Pernambuco, Edilazio Wanderley, em entrevista à TV Farol, de Serra Talhada, nesta terça (10). Na ocasião, o gestor destacou alguns objetivos de sua gestão à frente da pasta, iniciada na semana passada.

“A gente tem plena clareza do desafio que se coloca. Vivemos um momento em que, na assistência social, estamos tendo um grande retrocesso no Brasil, país que já foi referência em ações que davam alento para a população e que hoje passa por um verdadeiro desmonte. Se pegarmos o orçamento federal para a assistência social, vemos que houve um corte de mais da metade. A fome, a miséria e o desemprego voltaram a bater na porta do brasileiro, coisa que a gente achava que já tinha superado”, disse.

Em contrapartida, o Governo de Pernambuco tem investido na área, por meio do cofinanciamento de ações e serviços como a manutenção de Centros de Referência (CRAS) e de Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS) e a reabertura ou implantação de cozinhas comunitárias. Para as próximas semanas, deve entrar em funcionamento um programa de aquisição e doação de alimentos oriundos da agricultura familiar para pessoas em vulnerabilidade, o que será detalhado em breve.

“No SUAS [Sistema Único de Assistência Social], temos uma demanda imensa de pessoas que estão em vulnerabilidade. Então, a ideia é que a gente possa assistir essas pessoas por meio desse programa, que deve atender do Litoral ao Sertão”, completou.

Veja também:   Mais um bebê morre aguardando UTI em PE

O secretário ainda realçou a importância de avançar em políticas para a juventude, uma das parcelas da população mais afetadas pela crise político-econômica no Brasil, notadamente na questão do emprego e renda. “As pessoas não estão conseguindo ter esperança no país. Hoje a juventude está desamparada, sem ações específicas. Já me reuni com a Secretaria Executiva de Criança e Juventude e vamos trabalhar, aqui em Pernambuco, para desenvolver ações junto aos municípios”, finalizou.