Da g1

Foto: Reprodução

Uma briga generalizada entre torcedores do Santos Futebol Clube e do Coritiba, neste domingo (17), nas imediações do Estádio Urbano Caldeira, mais conhecido como Vila Belmiro, em Santos, no litoral de São Paulo, causou danos materiais, pânico e confusão na cidade. Vândalos chegaram a invadir uma unidade de saúde próxima, destruindo parte do equipamento. O tumulto só foi contido com a chegada da Polícia Militar, após confronto com os torcedores.

Diversos vídeos circulam nas redes sociais mostrando a confusão pelas ruas de Santos. A pancadaria começou antes mesmo do início do jogo, válido pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. A PM foi acionada por moradores do bairro Vila Belmiro, e ao chegar ao local, precisou usar bombas de efeito moral para dispersar a briga.

Além da confusão nas ruas da região, torcedores seguiram até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Central, localizada no mesmo bairro do estádio, e causaram diversos danos materiais, quebrando a porta de vidro e deixando o chão coberto com estilhaços.

Conforme a PM, a invasão na UPA se deu porque alguns torcedores do Coritiba entraram da unidade para se abrigarem, e parte da torcida do Santos descobriu e foi atrás. Vídeos também mostram o momento da invasão e o estrago causado (veja acima).

Segundo relatado ao g1 por Gabriel Lacerda, morador do bairro, a briga começou cedo, e se intensificou perto do horário do início do jogo, por volta das 11h. “Desde às 7h, estavam acontecendo pequenos conflitos entre os torcedores. No começo do jogo, a torcida do Santos foi até onde a torcida do Coritiba estava posicionada, e começou a guerra”, diz.

Lacerda comenta, também, que além da pancadaria, os torcedores jogaram pedras em vários carros que estavam estacionados. “A briga durou cerca de dez minutos. Da minha residência, deu para ver que pelo menos cinco ou seis carros foram depredados”, afirma.

Veja também:   Márcia 'mergulha de cabeça' no apoio ao deputado Danilo Cabral

De acordo com a PM, 18 pessoas, sendo nove torcedores do Santos e nove do Coritiba, foram detidas e encaminhadas ao 7º Distrito Policial da cidade. Os infratores devem responder por agressão e danos. Também foram apreendidos 11 artefatos explosivos improvisados de impacto.

Uma viatura da Polícia Militar foi atingida e danificada por pedras, assim como alguns ônibus da torcida do Coritiba e veículos estacionados nas vias próximas.

A polícia afirma que continua em operação pelas imediações da Vila Belmiro e intensificando as rondas próximo às ruas do entorno do estádio, além de escoltar as delegações esportivas e os árbitros. Até o momento, não há informações sobre feridos, policiais ou torcedores.

Torcedores foram flagrados agredindo jovem caído no chão em Santos, SP — Foto: Reprodução
Torcedores foram flagrados agredindo jovem caído no chão em Santos, SP — Foto: Reprodução

Em nota, a Prefeitura de Santos informou que a Guarda Civil Municipal (GCM) foi acionada pelo Centro de Controle Operacional (CCO) para dar apoio à PM na UPA Central, que teve parte da fachada depredada.

De acordo com a administração municipal, o atendimento na unidade de saúde já foi normalizado. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) não foi acionado para socorrer possíveis vítimas.

A GCM também deu apoio à PM na condução de cinco suspeitos envolvidos na ocorrência da UPA Central. Os infratores foram conduzidos ao 7º Distrito Policial da cidade.

Em nota, o Santos Futebol Clube lamentou o ocorrido e salientou que não compactua com esse tipo de comportamento. O clube espera que situações como essa não se repitam.

Bolsonaro na Vila

O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi à Vila Belmiro para assistir à partida entre Santos e Coritiba. Parte da torcida vaiou a presença de Bolsonaro, e parte gritou palavras de apoio, como ‘mito’. Logo após o jogo, o presidente e sua comitiva saíram sem problemas do estádio e voltaram ao Forte dos Andradas, em Guarujá, onde passa o feriado de Páscoa.

Veja também:   Câmara aprova texto-base de projeto que regulamenta ensino domiciliar